Adriano Lisboa Blog
Pensamentos, histórias e ideias.

Guia definitivo de Vim. Quer aprender Vim? Comece por aqui.

Recebo frequentemente perguntas de colegas de trabalho sobre como eu aprendi e como começar a aprender Vim, e o intuito desse artigo é desmitificar um pouco esse famoso editor de texto e dar recursos para que as pessoas percam de vez o medo e experimentar.

Mas afinal de contas oque é o Vim?

O Vim (uma contração de Vi IMproved) é uma cópia com adições do editor de texto vi do Unix e que foi criado por Bill Joy.

Originalmente escrito por Bram Moolenaar, o Vim foi baseado no código do editor Stevie criado para Amiga, sua primeira versão foi lançada em 1991.

O Vim é um editor de texto grátis e de código aberto e sua licença inclui clausulas que encorajam as pessoas que gostam do software a considerarem doar dinheiro para crianças em Uganda.


Diferenças entre Vi e Vim

Vim é compatível com versões anteriores do Vi e mudar do Vi para o Vim é muito simples, você continuará com todas as features que o Vi oferece ganhando muitas outras. Abaixo alguma das principais diferenças, mas se você quer ler a lista completa de features acesse a ajuda com o comando :help vi_diff (não se preocupe, aprenderemos logo como usar comandos no Vim).

Principais melhorias:

  • desfazer alterações de forma ilimitada: você pode desfazer todos os comandos usados de forma ilimitada.

  • portabilidade: Vi está disponível apenas para sistemas Unix, enquanto o Vim funciona no Windows, Mac OS, em todos os sistemas Unix, entre outros.

  • syntax highlighting: Vim pode ser programado para destacar porções do buffer (não se preocupe, vamos aprender sobre o buffer mais tarde) em diferentes cores e estilos, baseado no tipo de arquivo que está sendo editado.

  • modo de compatibilidade com Vi: Você pode forçar que o Vim se comporte como o vi. No entanto todas as melhorias que fazem dele compatível com o Vi são desligadas e você terá um editor 100% compatível com o Vi.


Como aprender Vim?

A melhor maneira que encontrei para finalmente aprender Vim foi perder o medo de usar e experimentar durante alguns períodos do meu dia.

Vim não é um editor de texto fácil de se aprender e de se tornar produtivo, existe uma curva de aprendizado (Figura 1) que mais se parece com uma parede, mas após escalar essa parede e começar a descer provavelmente você não vai conseguir utilizar outro editor de texto.

figura1-learning-curve
Figura 1: Vim Learning Curve: Cortesia: https://pascalprecht.github.io/posts/why-i-use-vim/

A maneira que eu adotei para finalmente começar a aprender o Vim foi em certos períodos do dia (durante uma hora por exemplo), parar de usar o meu editor padrão e continuar a tarefa que estava realizando utilizando o Vim.

Com o passar do tempo e com a customização e instalação de novos plug-ins comecei a me tornar mais produtivo utilizando o Vim do que com outros editores. Com o tempo você também vai desenvolvendo memória muscular e os comandos do Vim começam a se tornar mais naturais.

Outra abordagem é adicionar Vim Mode no seu editor de texto favorito, editores como Atom e VSCode já possuem plug-ins criados pela comunidade que emulam o Vim dentro deles mesmos.


Começando (pule essa sessão caso já o tenha instalado)

Instalação

Linux

Abra seu terminal e digite os seguintes comandos:

sudo apt-get update

sudo apt-get install vim

MacOS

Para instalar a versão mais nova use o homebrew:

brew install vim

Utilizando

Logo após a instalação você poderá executar o comando vim nomedoarquivo.extensão que o arquivo escolhido será aberto com o Vim.


Movimentos Básicos

A primeira coisa que eu recomendo que seja feita é a execução do comando vimtutor pt (caso queira a versão em inglês digite apenas vimtutor) em seu terminal.

Será aberta uma tela com um tutorial de aproximadamente 30 minutos ensinando os movimentos básicos do Vim. Antes de prosseguir com o artigo recomendo que leia atentamente todas as instruções do tutorial, após o seu termino você conhecerá o básico do Vim.


Conceitos Essenciais

Buffers

Buffers no Vim são nada mais que arquivos editáveis que estão disponíveis na memória. Após abrir um arquivo com o Vim você estará criando e consequentemente trabalhando em um buffer.

Explicar buffers fica mais fácil na prática, então vamos lá:

Crie uma pasta qualquer:

$ mkdir brincando_com_buffers && cd brincando_com_buffers

Agora crie dois arquivos:

$ echo 'Vim Rocks!' > vimrocks.txt

$ echo 'In Love With Buffers!' > inlove.txt

Agora abra o primeiro arquivo utilizando o Vim:

$ vim vimrocks.txt

Nesse momento você já está utilizando o buffer do Vim \o/

Agora vamos abrir outro arquivo de dentro do Vim utilizando o comando :badd ou : bad:

:badd inlove.txt

Neste momento você terá dois buffers no Vim, para listar os buffers utilize o comando :ls:

figura2-vim-buffers
Figura 2: Vim Buffers

O comando :ls retorna informações sobre cada buffer, como: o identificador único de cada buffer, indicadores de buffer (descritos abaixo), o nome do arquivo e o número da linha da sua posição atual do buffer atual.

Indicadores:

%: buffer na janela atual
#: buffer alternativo, pode ser acessado através das teclas CTRL-6
a: buffer ativo, carregado e visível
h: buffer escondido, carregado, mas não visível
-: buffer que não pode ser modificado
=: buffer somente leitura
+: buffer que foi modificado com sucesso
x: buffer com problemas de leitura
: se não tiver indicador no buffer isso significa que ele ainda não foi carregado

Alguns comandos de Buffer:

:bp - Muda para o buffer anterior
:b2 - Muda para o buffer de número 2
:bn - Muda para o próximo buffer
:ball - Abre todos os buffers em uma janela 
:brew - Abre o primeiro buffer da lista
:bd - Deleta o buffer atual
:bd 2 3 - Deleta os buffers de número 2 e 3

Nota: Todos esses comandos podem ser remapeados para comandos de sua escolha (explicarei mais para frente).


Customizando seu Vim (o arquivo .vimrc e suas configurações)

O Vim é um editor flexível e que pode ser customizado para seu estilo de edição de texto. Uma das primeiras coisas que você deve aprender é criar e manter um arquivo ~/.vimrc que vai conter todas as suas configurações favoritas, atalhos de teclado, comandos customizados e até extensões de plug-ins (falaremos mais na frente).

O .vimrc é um arquivo escrito utilizando uma linguagem de programação chamada vimscript. Sendo assim, seu .vimrc pode conter variáveis, condicionais, definições de funções e por aí.

Caso ainda não possua esse arquivo ele deverá ser criado na raiz de seu usuário. No meu caso ele está em /Users/adrianolisboa/.vimrc.

Vamos utilizar o site VimConfig para gerar uma configuração básica. Abra o site, desmarque ou marque as opções que não queira. Caso ainda não entenda oque essas opções significam, simplesmente abra seu .vimrc recém criado e cole as configurações que aparecem no input do lado direito do site.

Exemplo de configuração que foi gerada pelo site:

figura3-vimrc
Figura 3: Exemplo de configuração do .vimrc

Caso queira aprender um pouco mais sobre vimscript, existe o livro Learn Vimscript the Hard Way (em inglês), que pode ser lido pelo site ou comprado em formatos digitais por $8 dolares no Leanpub.

Configurações de outras pessoas

Um erro que muitas pessoas desenvolvedoras cometem ao começar a usar o Vim como editor padrão é baixar as configurações de outra pessoa desenvolvedora. No final de contas você vai acabar com um Vim cheio de plug-ins e configurações que provavelmente nunca vai chegar a usar (isso aconteceu comigo).

Se você realmente quer aprender Vim do básico ao avançado comece criando seu próprio .vimrc e a medida que for sentindo falta de configurações que seu antigo editor possui vá adicionando-as.

No tópico anterior geramos um arquivo .vimrc utilizando o site VimConfig com configurações básicas, recomendo que você gaste um tempo lendo as configurações que foram geradas e tentando entender oque significam (a maioria possui um comentário em inglês na frente). Vale a pena também ir removendo e vendo quais comportamentos são removidos do editor.

Para que sirva como referência aqui está o meu vimrc :-)


Plug-ins

Uma das coisas que faz com que o Vim seja extensível da maneira que ele é, é através da instalação de plug-ins, que são customizações que adicionam novas funcionalidades ao seu Vim, um exemplo de plug-in famoso é o Nerdtree, que adiciona um file tree para seu Vim:

figura4-nerdtree
Figura 4: Nerdtree plug-in instalado e aberto


Gerenciadores de plug-ins

Antes de listarmos alguns plug-ins, precisamos falar de como instala-los. Para isso existem diversos gerenciadores de plug-ins criados por usuários de Vim e que no final levam a mesma função: Instalar plug-ins :P

Abaixo uma lista dos mais conhecidos, fique à vontade para escolher entre eles.
O passo a passo de com adicionar cada um deles está em seu link.

Eu particularmente já utilizo o minpac a um tempo, e o escolhi por ter uma filosofia minimalista e utilizar de recursos do Vim 8.

Com o tempo talvez você comece a sentir falta de features que seu editor de texto padrão possuía e que não encontra no Vim, essa é a hora de dar uma pesquisada no Google por plug-ins. Na maioria dos casos já vai existir algum que supra a sua necessidade e que foi criada por algum usuário.


Plug-ins recomendados

Vou listar alguns dos plug-ins que senti falta quando fiz a migração completa do meu antigo editor de texto Atom, a ideia é que essa lista sirva apenas como referência e que você vá adicionando plug-ins à medida que sentir falta.

  • nerdtree - Adiciona um file tree que facilita a navegação pela estrutura dos projetos.
  • ctrlp.vim - Buscador de arquivos (basta apertar o botão Ctrl + P e digitar oque está procurando).
  • syntastic - Checa por problemas de syntax no código.
  • vim-arline - Adiciona uma barra de status com várias informações úteis de sua sessão atual.
  • vim-buffergator - Plug-in utilizado para listar, navegar entre e selecionar buffers para edição.
  • vim-fugitive - Git wrapper para Vim (adiciona funções do git ao seu Vim).
  • identLine - Adiciona linhas verticais para melhor visualização da identação de seu código.
  • vim-hardtime - Ajuda a formar bons hábitos de edição com o vim;

Para que sirva de referência, esse é o arquivo onde mantenho todos os plug-ins que estou utilizando no momento.

O site VimAwesome possui uma lista de plug-ins ordenada por quantidade de usuários que o utilizam, vale a pena dar uma conferida.


Conclusão

Com as informações acima você já tem todo o essencial para começar a utilizar alguns dos recursos do Vim, por ser um editor bastante customizavél e dinamico, você sempre aprenderá novos comandos, como automatizar outros e até mesmo conhecer novos plug-ins que forem surgindo. Caso tenha ficado com alguma dúvida não deixe de colocar um comentário abaixo :)


Aprendendo mais (do iniciante ao avançado)

Tutoriais (do básico ao avançado)
  • O Vim Golf possuí uma serie de desafios que você pode usar para aprender e praticar Vim.
  • vimcasts esse site possui uma lista grande de screencasts curtos que vão te ajudar a aprender algo novo.
  • Vim Vídeos by Derek Wyatt - vídeos do básico ao avançado.
  • Upcase - possui alguns cursos gratuitos sobre vim.
Recursos extras
  • Artigo do criador do Vim explicando sete hábitos para uma edição efetiva de textos.

  • Threads no CoderWall sobre Vim.

  • Wikipedia do VIM

  • Colocar os tutorials em vídeo do básico ao avançado


Referências

https://www.vim.org/

https://github.com/vim/vim

https://en.wikipedia.org/wiki/Vim_(text_editor)

https://www.vim.org/viusers.php

https://dockyard.com/blog/2013/10/22/vim-buffers

Author image
Brasil
I'm a Full-Stack Developer with good experience on design and architecture of software projects, agile methodologies, continuous integration, continuous deployment and continuous delivery.