Adriano Lisboa Blog
Pensamentos, histórias e ideias.

A importância dos aliases para o seu fluxo de trabalho

O intuito desse artigo é dar uma visão geral sobre o que são os aliases, sua importância para o nosso fluxo de trabalho, quando é um bom momento para sua criação, como criar e alguns exemplos meus.

O que são aliases ?

Podemos considerar os aliases como uma interface de texto para comandos no terminal (ou shell), onde você pode utiliza-las para mapear comandos que sejam longos, repetitivos ou complexos.

Para verificar quais aliases já estão disponíveis em sua máquina, abra o terminal, digite o comando alias

Imagem 1: Lista de alias ao digitar e executar o comando alias no terminal.
Imagem 1: Lista de aliases ao digitar e executar o comando alias no terminal.

Por que eles são tão importantes ?

A importância dos aliases está diretamente ligada ao ganho de tempo no desenvolvimento, com elas podemos automatizar tarefas repetitivas ou executar comandos grandes utilizando abreviações.

Quando criar ?

Imagine que você acaba de entrar em um novo projeto e percebe que todos os dias está executando os mesmos comandos para a execução de uma tarefa específica (exemplo: navegar por vários diretórios até chegar no diretório de seu projeto) várias vezes ao dia.

Talvez você passe alguns minutos procurando pelo comando certo no histórico de seu terminal, ou talvez você acabe se esquecendo de alguns comandos, ou talvez você queira automatizar algumas tarefas para os membros do seu time, e por aí vai.

Se você identificou algum dos cenários descritos acima pode ser que seja a hora de pensar na criação de algumas alias.

Uma boa maneira de descobrir quais os comandos que você repete constantemente no seu dia a dia é digitando history em seu terminal ou editando o arquivo .bash_history que se encontra na raiz de se usuário, onde são guardados todos os comandos que foram executados. Ao editar o arquivo você pode ter percebido que olhar linha por linha e tentar identificar a quantidade de vezes que cada comando foi executado é uma tarefa inviável (isso claro se você costuma utilizar comandos no terminal com frequência).

Para ver os 15 comandos que você mais repetiu digite em seu terminal (é necessário ter o awk instalado em sua máquina):

history | awk '{a[$2]++}END{for(i in a){print a[i] " " i}}' | sort -rn | head -n 15 (caso você se pergunte... sim, o comando acima foi automatizado).

Imagem 2: Lista de comandos mais executados filtrando o comando history.
Imagem 2: Lista de comandos mais executados filtrando o comando history.

Como você pode ver na imagem acima, o comando ls foi executado 3492 vezes neste computador, seguido do comando gst que é uma alias que se traduz para git status ao ser executado.

No exemplo acima usamos gst, ou melhor, git status parar criar um alias do git, porém algumas ferramentas como o próprio git permite que esses aliases sejam criados em seus próprios arquivos de configuração, e no caso do git seria o git config.

Também existem alguns truques que podem ser feitos diretamente com o bash (dica do Fernando Almeida), como a criação de atalhos do teclado.

Como criar?

A criação dos aliases é bem simples, basta criar uma linha começando com alias seguido do nome ao qual será dado a seu alias, finalizando com a atribuição de um comando a ele.

Por exemplo, imagine que você utilize um comando específico do git para mostrar os logs de uma maneira formatada, você poderia digitar o seguinte comando em seu terminal:

alias glog='git log --pretty=format:"%h %s" --graph'

Com isso ao digitar o comando glog em seu terminal ele estaria executando na realidade o comando git log --pretty=format:"%h %s" --graph.

Porém ao fechar a sessão atual de seu terminal o alias recém criado seria perdido, para que ele seja carregado todas as vezes ao abrir o terminal é preciso que ele seja adicionado em um arquivo que é carregado junto da sessão (por exemplo, o .bash_profile).

Experimente adicionar essa linha no final do arquivo, fechar seu terminar, abri-lo novamente e verificar se o alias recém criado ainda está funcionando.

Uma dica é você criar seus aliases como um projeto em um diretório e separa-los por contexto, você pode conferir um exemplo das minhas configurações de bash e de meus aliases.

Conclusão

No meu dia a dia como desenvolvedor de software a utilização dos aliases é frequente e me economiza vários minutos, porém é preciso tomar cuidado e não cair na armadilha de querer automatizar tudo, há tarefas que são executadas tão raramente que talvez nem valham o esforço da criação de aliases para elas.

Sugiro que você faça o exercício de verificar os comandos que mais utiliza e pensar se faz ou não sentido criar aliases para os mesmos.

Ficou com alguma dúvida ou tem alguma sugestão para incrementar esse artigo? Não deixe de comentar abaixo.

Author image
Brasil
I'm a Full-Stack Developer with good experience on design and architecture of software projects, agile methodologies, continuous integration, continuous deployment and continuous delivery.